7 mitos sobre a segurança dos aviões em que muita gente acredita

A maioria das pessoas sabe que os aviões são, do ponto de vista estatístico, o meio de transporte mais seguro de todo o mundo.

De acordo com os órgãos reguladores do sector, um acidente de avião acontece a cada 1,2 milhão de voos e a hipótese de morreres num desastre aéreo é de 1 em 11 milhões. Em comparação, as chances de morrer num carro ou num acidente de trânsito são de uma em 5.000.

Mas para que fiques ainda mais tranquilo na tua próxima viagem de avião, trazemos-te 7 mitos sobre segurança aérea que não passam disso mesmo: mitos…

7. Os raios podem explodir um avião

Os raios atingem os aviões com mais frequência do que imaginas. As estatísticas mostram que cada avião tem uma chance de pelo menos uma vez por ano ser atingido por raios, o que significa cerca de 50 ocorrências por dia em todo o mundo. Essa informação pode assustar mas acredita: os raios não são capazes de derrubar um avião.

Hoje em dia, todos os aviões são projectados para resistirem a raios com segurança. Se um raio atinge a aeronave, a eletricidade é dissipada pelas suas extremidades, como as pontas das asas. Além disso, os sistemas eletrónicos são blindados contra cargas elétricas.

Por fim, se um raio atinge um avião durante um voo, após a aterragem, o avião é revisto para garantir que tudo estará seguro na próxima viagem!

6. É possível hackear os sistemas eletrónicos de um avião

Em alguns filmes vemos o piloto automático a ser hackeado e a tripulação deixa de conseguir controlar o avião. No entanto, isso não tem nada a ver com a realidade. Por razões óbvias, os aviões são projectados com muitos níveis de segurança em cada sistema, incluindo p piloto automático.

Na verdade, todos os aviões têm pelo menos dois computadores separados e cada um deles pode pilotar o avião sem a necessidade do outro. Mesmo que todos os pilotos automáticos estejam fora de serviço, os pilotos são qualificados o suficiente para pilotar o avião sem ajuda da eletrónica…

5. Um buraco na parte lateral do avião pode sugar as pessoas

Alguns filmes, como Premonição, especularam sobre este mito. Mas o que vemos no cinema é ficção. Sim, é verdade que há uma diferença significativa entre a pressão do ar fora e dentro do avião mas não o suficiente para uma sucção completa que faça com que os passageiros sejam imediatamente sugados para fora.

A verdade é que uma corrente de ar poderá levar objetos leves, a cabine esfriará e, é claro, as máscaras de oxigénio cairão. Mas definitivamente, a realidade é bem diferente da que aparece nos filmes.

4. Se perder uma das turbinas, o avião cai

Este mito é muito popular em Hollywood. Se num filme um avião perde um motor, isso provavelmente leva a um acidente fatal. No entanto, a verdade é que uma aeronave com apenas um motor pode facilmente contornar a situação.

Há diversos casos de aterragens seguras com um único motor. A maioria das aeronaves possui 2 motores especificamente para garantir a segurança nesse tipo de eventualidade. Os aviões são muito bem projetados. Assim, se uma turbina falhar no momento da descolagem, a aeronave pode continuar a descolar, voar ao redor da pista e aterrar novamente.

3. A turbulência pode ser muito perigosa

Devemos entender que a turbulência ocorre naturalmente quando voamos. A atmosfera da Terra não é perfeitamente fluida e a turbulência é o resultado de milhões de pequenas variações na velocidade do ar, causadas pela direção e densidade.

Como essa é uma ocorrência natural e acontece regularmente, os fabricantes de aviões testam novos modelos contra todas as piores situações possíveis. As asas são testadas para resistir a até 150% do nível máximo de movimento que um voo pode enfrentar, incluindo turbulências. Por fim, os aviões possuem radares meteorológicos e, sempre que possível, evitam zonas de turbulência.

Portanto, nada é tão assustador quanto os filmes mostram.

2. As portas do avião podem ser abertas durante o voo

Há cerca de 70 anos atrás isto poderia acontecer porque as cabines não eram bem pressurizadas. Já nos aviões de hoje, todas as portas, incluindo as de emergência, abrem ao deslizar ou a girar para dentro da cabine, antes de serem abertas para fora.

Isso significa que as portas devem ser puxadas para abri-las. Além disso, de acordo com os especialistas da indústria, nenhum passageiro é forte fisicamente o suficiente para abrir uma porta de emergência de um avião a meio de um voo.

1. Não há nenhuma possibilidade de sobreviver a um acidente aéreo

Nos filmes, um acidente de avião sempre é fatal. No entanto, existem histórias reais que provam o contrário, como a do voo 243 da companhia aérea Aloha entre Hilo e Honolulu, no Havaí. Em 28 de abril de 1988, o avião sofreu grandes danos após uma descompressão explosiva no meio do voo mas conseguiu fazer uma aterragem de emergência no aeroporto de Kahului, em Maui.

Outro caso aconteceu em 2013, quando o voo 214 de Asiana Airlines caiu ao tentar aterrar numa das pistas do Aeroporto Internacional de São Francisco. Pareceu incrível que 304 pessoas tenham sobrevivido nessa situação mas, na verdade, não é assimtão surpreendente.

Os números do National Transportation Safety Board (NTSB, órgão de segurança de voo dos EUA) mostram que 95% dos passageiros que estiveram envolvidos em acidentes com aviões americanos entre 1983 e 2000 sobreviveram.

Comentários