Um mal nunca vem só

Um ceguinho todos os dias pedia esmola na Rua Augusta… com uma lata na mão, sacudia a lata e uma moeda que estava lá dentro, saltava e voltava a cair na lata fazendo barulho, e ele dizia:
– Uma esmolhinha pelo amor de Deus!

Um dia, enquanto fazia o movimento do costume, passou um miúdo a correr e apanhou a moeda no ar, e o cego disse:
– Dass… agora é que eu estou tramado… eu que já sou cego há tanto tempo, agora também sou surdo!!!

You may also like...